segunda-feira, fevereiro 16, 2009

O Que Mata Não Engorda - por D. Deolinda - Heterónima do (grande) Autor

Poizé, diz qu' o câncaro mata mesmo.
Eu cá semp achei qu'aquilo era manobras das farmácias, prós dôtores aviarem receitas e irem passar férias às brasileiras do pará e praqui e pracolá.
Mas o meu Goucha no outo dia meteu lá uma menina no pugrama dele que tava toda careca e eu ainda pensei qu'ela saía ao pai, mas diz que é mesmo do tratamento pó câncaro, da quinquilharia.
Agarrei-me log todárrepiada à manta que me deu a minha Sónia, quando foi ao AKIE e diz que tinham númâros a mais e atão trouxe-muma.
Por acasos até é arrochada, a minha cor peferida.
É um amor, essa Sónia, espero que o meu Ruben s'agarre bem à moça.
Eu diss-le log "Oh Ruben, vê lá se metes esta de balão mais rápido qu'às otras, senão ela tamém dá à sola. E tens lavado a boca? Já ta diss que a tua boca parece a sanita do café da Micas, tens de lavar essa porcaria senão ela pira-se. Pel mens de três em três dias, caraças."
Mas o Ruben nã ligou e meteu mais um pã-d'alh na boca.
Bom, deixa-me cá ligar prá Zélia, a ver se ela tamém viu a careca no Goucha.
É tã bnito, ele, seu tivess mens 50 ans, a ver se ele não vinha cá à dona.

2 comentários:

D.T. (J.) disse...

Ai Jejus que ch'apaga a luz!

jeremias disse...

desculpa lá a minha opinião, mas desta vez excedeste-te... acho que o texto não faz sentido, não tem a menor graça, e ainda por cima o tema é foleitore e ordinarote....
Além disso, fazer graça com a desgraça alheia ( uma mulher careca porque está a fazer quimioterapia) não fica bem a ninguém e muito menos a um rapaz que tem tantos princípios bons e tao bom coração.
Acho que podias aproveitar muito melhor o teu talento para a escrita.

 
origem